O Regresso do REI LEAR ao Palácio Fronteira!

Se ainda não teve oportunidade de assistir a esta experiência única, agora é o momento.
Apenas 5 récitas.

Estas RÉCITAS DE VERÃO permitirão ao público desfrutar dos exteriores e dos jardins do Palácio no seu esplendor.    

Nos dias 20 e 27 de Julho, 10, 17 e 31 de Agosto de 2016 (quartas-feiras) às 18h18 o grupo de Teatro “Fatias de Cá” apresentará no Palácio Fronteira uma adaptação da peça O Rei Lear.

O espectáculo, inspirado em Shakespeare e em Kurosawa tem início às 18h18m e inclui uma refeição. Acesso: 44,44 € (refeição incluída)

As reservas podem ser feitas através dos contactos: 960 303 991    /   reservas@fatiasdeca.net http://www.fatiasdeca.net/loja/bilhetes.aspx?id=48&p=0

Organização: Grupo de Teatro FATIAS DE CÁ

Apoio:
Antena 2
Os Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna
“Eu sou a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a Sua palavra”

E se a Anunciação do Anjo a Maria não se tivesse passado bem assim? O que teria acontecido se Maria não tivesse aceite ser “a escrava do Senhor?”
Esta é uma das grandes questões de fundo abordadas no novo livro de Maria Teresa Horta, uma obra que desafia as categorias, ideias estabelecidas, e maneiras de contar, simultaneamente poética e narrativa, sugestivamente erótica, de uma beleza e delicadeza sem igual.
Neste breve curso-grupo de leitura, pretende-se oferecer aos participantes-leitores a oportunidade de entrar em mais profundidade neste livro e de, simultaneamente, partilhar as suas experiências de leitura no cenários mágico do Terraço das Artes do Palácio Fronteira.
Programa   
1ª Sessão – 29 de Junho, Quarta-feira
18h30-19h30 - Curso (parte I)  por Vanda Anastácio
19h30--20h00 - Colação
20h00-21h00 - Grupo de Leitura  (Diálogo/debate com a autora Maria Teresa Horta)  

2ª Sessão – 30 de Junho, Quinta-feira
18h30-19h30 - Curso (parte II) por José Tolentino de Mendonça
19h30--20h00 - Colação
20h00-21h00 - Grupo de Leitura  (Diálogo/debate com a autora Maria Teresa Horta)

Informações e inscrições – fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt / 217 784 599 *Recorda-se que há a possibilidade de os participantes se inscreverem como sócios imediatamente antes do evento para usufruírem do desconto)  Organização: Fundação das Casas de Fronteira e Alorna e Os Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna. Apoios: Grupo Leya e Editora Dom Quixote.

Eventos passados

ORGANIZAÇÃO: Instituto de História da Arte e a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Fundação das Casas de Fronteira e Alorna e Associação dos Amigos das Casas de Fronteira e Alorna.   

APOIO: Centro de Estudos Clássicos da Faculdade Letras da Universidade de Lisboa, Fundação Casa de Rui Barbosa e Fundação para a Ciência a Tecnologia. 
Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica, 1 – Lisboa.  www.fronteira-alorna.pt
O FIO DA MEMÓRIA: VIVÊNCIAS E ESPAÇOS DO PALÁCIO FRONTEIRA

O fio da memória é o primeiro de três encontros dedicados à actualização de conhecimentos sobre o Palácio Fronteira. Tem como Investigadores Principais Isabel Mendonça e Hélder Carita e reune especialistas em: arquitectura, coleccionismo e artes decorativas aplicadas.
Terá lugar no dia 20 de Abril, quarta-feira, a partir das 9h30, no Palácio Fronteira.

Informações e Inscrições (até 13 Abril) – fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt / 217 784 599.
Em seu tempo, todas estas imagens eram legíveis, familiares, contavam histórias e fábulas cuja memória e conhecimento se foi apagando. Quem são as figuras do Terraço das Artes? Porquê uma figura da poesia? Quem é a figura humana com cabeça de veado e a figura feminina com um pássaro na cabeça?... 
Com base no vasto imaginário do Palácio, as aulas são dadas a partir da observação e estudo de imagens e programas narrativos de várias épocas e em suportes e técnicas diversos: pintura, escultura, tapeçaria, azulejo, estuque, entre outros, dando aos participantes a possibilidade de reconhecer e analisar as principais convenções que ao longo dos séculos caracterizaram determinados temas, religiosos ou profanos. A iconografia é um tema com uma abrangência muito vasta e o objetivo desta formação é sobretudo despertar o interesse e a curiosidade por esta área de estudo.  
Programa:  
Aula 1 – 29 de Março:
O que é Iconografia? / Diferença entre Iconografia e Iconologia. / Imagem e mensagem. Leitura iconográfica e dimensão estética. / Contextos, fontes gráficas e literárias.  
Aula 2 – 5 de Abril: 
Alegorias e Personificações nos azulejos e estuques do Palácio. / Cesare Ripa e a Iconologia. / As Artes Liberais. Reflexão sobre a relação entre texto e imagem na análise iconográfica.  
Aula 3 – 12 de Abril: 
Mitologia greco-romana: Reflexos nas Artes Decorativas. / Pinturas, estuques e azulejos do Palácio. / A importância da gravura na divulgação das imagens.  
Aula 4 – 19 de Abril:
Introdução à Iconografia Cristã. / Temas da Infância de Cristo. Origem, génese, fontes gráficas e literárias, evolução do tema.  

Apoio: Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna.   
Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica nº 1 - 1500-554 Lisboa www.facebook.com/fronteira.alorna
29 Março, 5, 12 e 19 Abril 2016
Curso Livre de Introdução à Iconografia
O Que nos Contam as Imagens do Palácio Fronteira?
Iniciação à Iconografia
Coordenação de: ANA PAULA REBELO CORREIA
(Duração: 12h – das 19h às 22h30 com 30 minutos de intervalo)

Palácio Fronteira Informações e inscrições limitadas (até ao dia 16 de Março)
fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt / 217 784 599.

O Curso Livre de Introdução à Iconografia – “O que nos contam as imagens do Palácio Fronteira?”, destina-se a todos os que tenham interesse e curiosidade pela imagem e seu significado.
O curso tem como objetivo tornar acessível a leitura das imagens mitológicas, alegóricas, cristãs, e iniciar os participantes nos métodos e utensílios de pesquisa iconográfica necessários à identificação, descodificação e compreensão de figuras e programas narrativos.
A decoração exterior e interior do palácio oferece-nos um universo iconográfico que vemos hoje como um conjunto decorativo de forte impacto visual.
PROGRAMA / PROPOSTA DE LEITURA   -
30.03.2016 -  O Centenário que Saíu pela Janela e Desapareceu, de JONAS JONASSON, apresentação de Vanda Anastácio 27.04.2016 – O Velho que Lia Romances de Amor, de LUÍS SEPÚLVEDA, apresentação de Cristina Almeida Ribeiro
19.05.2016 – Em Nome da Terra, de VERGILIO FERREIRA, apresentação de Ofélia Paiva Monteiro e moderação de José Augusto Cardoso Bernardes.  
APOIOS: Antena 2, Centro de Estudos Clássicos e Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Junta de Freguesia de São Domingos de Benfica. 
Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica, 1 – Lisboa.  www.facebook.com/fronteira.alorna
CICLO / GRUPO DE LEITURA “VIVÊNCIAS DO TEMPO”
(no Centenário de VERGILIO FERREIRA),
30 Março, 27 Abril e 19 de Maio, quartas-feiras,
às 19h00, no Palácio Fronteira!
Informações e Inscrições obrigatórias (gratuitas)
fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt  
217 784 599.

Como lidar com a passagem do tempo? As obras propostas para este ciclo de leituras podem ser vistas como formas encontradas por três autores do século XX, de três culturas diferentes, de  lidar com esta questão: passando em revista a história colectiva, confrontando-se com a experiência do Outro, tentando descrever o envelhecimento a partir de dentro. Três romances, pois, que podem ser lidos como outras tantas reflexões sobre a condição humana, recorrendo ao humor, ou à beleza, ou à exposição despudorada da sensibilidade.
Ópera no Palácio Fronteira!
Comentar, aprender, discutir e ver a Norma de Bellini, pela mão do tenor Manuel Pedro Nunes.
Mini-curso de duas sessões. Informações e inscrições – fcfa-cultura@netcabo.pt / 217784599

16 e 17 de Fevereiro de 2016
CURSO E GRUPO DE LEITURA
O BELCANTO COMENTADO
O 2º Belcanto  (3ª sessão) - NORMA de Bellini
por Manuel Pedro Nunes

Informações e inscrições limitadas  (até ao dia 9 de Fevereiro de 2016) – fcfa-cultura@netcabo.pt / 217784599.
A ópera “Norma” de Bellini estreou em 26 de Dezembro de 1831 no Teatro Alla Scala de Milão e é considerada como o expoente máximo do 2º Belcanto Italiano. Num curso sobre o Belcanto, seria impensável não a incluir por vários motivos: a qualidade da música, a transcendência vocal dos papéis principais com destaque para o da protagonista, a importância histórica e impacto no meio operático da época, a influência no repertório dos sopranos dramáticos no séc. XX, e tantos outros.   O curso versará sobre a vida de Bellini, com incidência na génese da ópera e na análise cuidada do conteúdo musical, estético e dramatúrgico da peça.  Dar-se-á particular relevo aos aspectos de inovação estética e de ligação à tradição belcantista, bem como à questão da vocalidade e problemas postos por esta ópera. Haverá, como sempre, espaço para interacção e discussão dos problemas suscitados pela audição e visionamento da obra.   Esperamos ter um agradável grupo de leitura, como tem sido usual, para podermos usufruir de forma informada desta maravilhosa obra-prima.  
Manuel Pedro Nunes  

PROGRAMA / PROPOSTA DE LEITURA              
16.02.2016 – 19h00/21h30
Curso e Introdução/Comentário ao 1º acto da ópera “Norma” de Bellini.                        
Visionamento do 1ª Acto da Ópera “Norma” de Bellini (duração 1h24) seguido de                                                        
Comentário final e Grupo de Leitura.  

17.02.2016 -  19h00/21h30
Curso e Introdução/Comentário ao 2º acto da ópera “Norma” de Bellini.                        
Visionamento do 2ª Acto da Ópera “Norma” de Bellini (duração 1h08) seguido de                                                        
Comentário final e Grupo de Leitura.      
OBRA A LER:     Link, caso pretenda ler o libreto da respectiva ópera:  http://www.kareol.es/obras/norma/norma.htm    

Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica nº 1 - 1500-554 Lisboa.

Manuel Pedro Nunes (barítono)         
Nascido no Barreiro, engenheiro de formação, com amplos conhecimentos linguísticos, concluiu o Curso Superior de Canto na classe da Prof.ª Joana Silva com a máxima classificação, prosseguindo depois estudos com os profs. Rudolf Knoll no Mozarteum de Salzburgo e com a prof.ª Vera Rosza, no Royal College em Londres, além de várias "masterclasses" (Elizabeth Grümmer e Hugo Diez (em Salzburgo), Sena Jurinac (em Viena), Kurt Equiluz (por duas vezes em Lisboa), Eberhardt Wächter (Salzburgo) e José van Dam (Bruxelas)). Concluiu depois o Mestrado em Lied , também com elevada classificação.      Como concertista tem feito recitais para a RDP, para a Fundação Gulbenkian, para várias autarquias, para a Universidade de Aveiro, para o Instituto Franco-Português, para os Jerónimos, para o Palácio Fronteira, Palácio da Ajuda e Palácio Foz, para o Museu Nogueira da Silva e para a FLAD. Tem actuado muitas vezes como solista de concerto com a OSJ, a Orquestra de Cascais e a Orquestra do Norte.      A sua estreia operática deu-se no teatro da Trindade no papel de Conde Almaviva em "As Bodas de Fígaro" de Mozart, numa  produção de grande sucesso. Estreou-se depois no protagonista de "Rigoletto" de Verdi, no Teatro Camões, seguindo-se o protagonista do “Don Giovanni com a Orquestra do Norte.    A estreia internacional ocorreu em França, tendo cantado “Les nuits d’été “ de Berlioz em Marmande. Prosseguiu a carreira internacional cantando o Sumo Sacerdote na ópera “Sanson et Dalila” de Saint-Saëns no Minnesota Summer Arts Festival (EUA). Apresentou-se em recital em Paris e como conferencista no Moadon Ivry, tendo regressado para novo recital na Sala Bernard Lazare com a pianista Delphine Bardin.    Trabalha regularmente com os pianistas Paule Grimaldi e Ian Mikirtumov.     O seu repertório integra as partes principais da grande literatura concertística, de Bach a Mendelssohn, os principais papéis de ópera do repertório italiano, alemão, francês e russo e um número considerável de “Lieder” e “melodies”, de todas as literaturas musicais, com destaque para a alemã e francesa.
SENSIBILIZAR PARA AS ARTES  
Coordenação: Maria João Craveiro Lopes
(Duração: 2h – das 19h às 21h30 com 30 minutos de intervalo) – Palácio Fronteira
Informações e Inscrições gratuitas obrigatórias e limitadas à capacidade da sala (até ao dia 17 Fevereiro) – fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt / 217784599.  

O objectivo desta sessão será o de sensibilizar para a experimentação expressivo-artística enquanto forma de comunicação e expressão da criatividade. Sobretudo quando se é adulto, como diz Matisse, "a criatividade requer coragem" e as técnicas e experiências criativas desbloqueiam esse receio inicial de ousar reinventar, recriar ou, mesmo, de criar de novo. O desafio é o de entender como praticar as artes activamente pode contribuir para a realização pessoal e coletiva de comunidades interventoras. Assim partiremos não só da cognição ou domínio das técnicas artísticas, mas de emoções, sentimentos e valores, predispondo-nos a passar da palavra à dança, do canto à pintura, dos objetos à performance.

Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica nº 1 - 1500-554 Lisboa www.facebook.com/fronteira.alorna
O Regresso do REI LEAR ao Palácio Fronteira!

Nos dias 27 de Fevereiro, 5, 12 e 26 de Março de 2016 (sábados) às 18h18
O grupo de Teatro “Fatias de Cá” apresentará no Palácio Fronteira uma adaptação da peça O Rei Lear.

O espectáculo, inspirado em Shakespeare e em Kurosawa tem início às 18h18m e inclui uma refeição.

Informações e reservas podem ser feitas através dos contactos:
960 303 991    /   reservas@fatiasdeca.net http://www.fatiasdeca.net/loja/bilhetes.aspx?id=48&p=0

Organização: Grupo de Teatro FÁTIAS DE CÁ.
Apoio: Antena 2 e Fundação das Casas de Fronteira e Alorna.
A Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna organiza o

CONCERTO DE ESTREIA MUNDIAL – CANÇÃO DE ALCIPE

com arranjo para três instrumentos de Luísa Amaro. LUÍSA AMARO (guitarra portuguesa), GONÇALO LOPES (clarinete baixo) e PAULO SÉRGIO (piano).

A Canção de Alcipe foi inspirada na figura da 4ª Marquesa de Alorna, poetisa e mulher notável do século das Luzes. Carlos Paredes criou uma versão desta música para guitarra portuguesa,que foi tocada inúmeras vezes, um pouco por todo o mundo e as gravações que fez encantam ainda quem tem oportunidade de as ouvir. Continuando e homenageando a obra do seu mestre e mentor, Luísa Amaro propõe agora uma revisitação desta canção tão especial, que surge integrada num concerto de excepção, com músicos de grande nível, no Palácio Fronteira, onde Alcipe viveu e onde os seus descendentes continuam a habitar. O concerto tem início às 19h00 e será seguido de jantar (opcional) às 20h00, no Palácio Fronteira.   Inscrições: 217 784 599  (todos os dias entre as 10h e as 13h00 e as 14h00 e as 17h), ou através de correio electrónico para fcfa-cultura@fronteira-alorna.pt.     Se quiser aproveitar as condições especiais, reservadas aos membros da Associação dos Amigos da Fundação, recorda-se que existe a possibilidade de fazer a inscrição de sócio no momento da reserva.   Dadas as limitações da lotação da sala, pede-se o favor de fazer a sua inscrição até quinta-feira, dia 25 de Fevereiro 2016, de forma a assegurar o seu lugar.
Apoios: Antena 2, Althum, Associação dos Amigos do Museu Nacional da Música, Junta de Freguesia de São Domingos de Benfica e Fundação das Casas de Fronteira e Alorna. Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica, 1 - Lisboa.www.amigos-fronteira.org
GRUPO DE LEITURA
VINTE DEGRAUS E OUTROS CONTOS de HÉLIA CORREIA.
(1 sessão – 19h00 – Palácio Fronteira)

Vinte Degraus e outros Contos é o último livro publicado da escritora Hélia Correia, e foi distinguido com o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco em 2014. Hélia Correia é autora de mais de vinte títulos, entre ficção, poesia e teatro, e apesar da sua postura discreta, tem visto a sua obra ser premiada com alguma frequência ao longo dos anos. Recebeu o Prémio Máxima de Literatura em 1981, em 2000 e em 2006; foram-lhe atribuídos o Prémio  de Ficção do Pen Club em 2001, o Prémio Fundação Inês de Castro, o Prémio D. Dinis em 2010, bem como o Prémio Virgílio Ferreira em 2013 e, mais recentemente, em 2015, foi galardoada com o Prémio Camões, o mais importante prémio literário português atribuído a um autor de língua portuguesa pelo conjunto da sua obra. Com um estilo único, em que cada frase surpreende e abre portas à imaginação, os contos  aqui reunidos permitem ao leitor menos familiarizado com a obra desta grande escritora entrar no mundo muito especial que é o dos seus textos. Para além do prazer da leitura da obra e da partilha dessa experiência, a sessão que se propõe é uma oportunidade única para conversar com a própria autora acerca destes contos, da sua escrita e... da sua obra. PROGRAMA / PROPOSTA DE LEITURAS   02.03.2016 – Grupo de Leitura sobre a obra “Vinte Degraus e Outros Contos”, de Hélia Correia, Relógio d´Água Editores, 2014.   APOIO: Relógio d´Água Editores.   Local: Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica, 1 – Lisboa. www.facebook.com/fronteira.alorna

Pode adquirir a reedição desta obra na Loja dos "Amigos da Fundação” e/ou encomendar por telefone 21 778 45 99 ou por email: fcfa-cultura@netcabo.pt.

Curso sobre Aristocracia Medieval Portuguesa
A COROA E A ARISTOCRACIA- VELHOS E NOVOS OLHARES SOBRE O PORTUGAL MEDIEVO
Coordenação de: José Augusto de SOTTOMAYOR-PIZARRO
25, 26, 27 e 28 de Janeiro 2016
(Duração: 10h – das 19h às 22h30 com 1 hora de intervalo) – Palácio Fronteira
Durante a Idade Média, o grupo aristocrático teve uma importância decisiva para a formação e estruturação das diferentes monarquias europeias. Na Península Ibérica, onde a presença muçulmana e a Reconquista introduziram características diferenciadoras no quadro da Cristandade, o seu papel ganhou contornos específicos e variados de acordo com a evolução das diferentes monarquias hispânicas.

Programa
1ª Sessão (25/01/2016): Apresentação – Síntese (Origens, Evolução, Estruturas)
2ª Sessão (26/01/2016): Combater e Orar – a dimensão militar e monástica da aristocracia
3ª Sessão (27/01/2016): Torres, Paços e Quintãs – a dimensão patrimonial da aristocracia
4ª Sessão (28/01/2016): Domini Regis vs. Nobiles – a dimensão política da aristocracia

No próximo dia 14, quinta-feira, a Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna organiza um jantar/debate com a Senhora Drª. Leonor Beleza cujo tema será a Fundação Champalimaud, Instituição a que preside.

A Fundação Champalimaud criada por determinação testamentária de António Champalimaud, dedicada à investigação biomédica e com um património de cerca de 500 milhões de euros é a maior, nesta área, existente em Portugal.

Em 2006, tivemos, entre nós, a presença da Senhora Drª. Leonor Beleza que nos deu, então, uma perspectiva do que iria ser a Fundação. Ficaremos a conhecer, agora, a evolução desta Instituição que é para todos um marco de excelência a nível mundial, que, nomeadamente, criou um prémio bianual de um milhão de euros que distingue trabalhos de investigação na área da visão, cara ao seu fundador por ter perdido a visão no final de vida.

Chamamos a vossa atenção para a alteração do programa que já introduzimos em eventos anteriores :  Os aperitivos serão servidos a partir das 19.30h. A palestra terá início às 20.00h, que será seguida de um pequeno debate de 10 a 15 minutos com a assistência. O jantar começará às 21.00h.

“Suécia, Portugal e a Restauração de 1640"

Um jantar de colaboração entre a Câmara de Comércio Luso-Sueca e a “Associação dos Amigos da Fundação das Casas Fronteira e Alorna”   

LOCAL:
Palácio Fronteira, Largo São Domingos de Benfica 1, Lisbon

O tema deste jantar tal como o local e a data escolhidos inspiram-se na Restauração de 1640.

Durante a Guerra da Restauração (1640-1668) e nos anos que se lhe seguiram, Suécia e Portugal teceram importantes relações. O Palácio e o título dos Marqueses de Fronteira datam desse período, e o dia 1º de Dezembro foi considerado, até muito recentemente, um dos mais importantes feriados nacionais.
O Palácio, classificado como monumento nacional, continua a ser habitado pelos descendentes dos seus fundadores e é, tal como os sues jardins, um local único.
Vanda Anastácio conduzirá os participantes através do tema escolhido para esta noite, aflorando aspectos especialmente curiosos relativos ao relacionamento entre Portugal e a Suécia no século XVII e ao Palácio e aos Marqueses de Fronteira e Alorna. Além de ser Professora da Universidade de Lisboa, é Assessora do actual Presidente da Fundação das Casas Fronteira e Alorna para os assuntos culturais.

A “Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna” tem como missão angariar meios para a conservação e restauro do património da Fundação.
Sua Excelência a Senhora Embaixadora da Suécia honrar-nos-á com a sua presença, e a Embaixada da Suécia cedeu generosamente o seu renomado chef-de-cuisine, Jimmy Leon, que preparará um jantar excepcional para esta noite. Veja o seu blog aqui.   Dadas as limitações da lotação da sala, pede-se o favor de fazer a sua inscrição, até segunda-feria, dia 23 de Novembro, de forma a assegurar o seu lugar.   Informações e inscrições: fcfa-cultura@netcabo.pt ou 217784599

Lançamento da reedição da obra de José Cassiano Neves Jardins e Palácio dos Marqueses de Fronteira 

dia 12 de Novembro de 2015, 19h30 na ocasião da Homenagem ao Dom Fernando Mascarenhas (que terá lugar no mesmo dia às 18h)

Trata-se de uma edição de tiragem única, limitada a 500 exemplares, 350 dos quais numerados e assinados pelo actual Presidente da Fundação e Marquês de Fronteira, Dom José Mascarenhas. Os interessados na reserva de exemplares deverão contactar os serviços culturais da Fundação (através do endereço de e-mail fcfa-cultura@netcabo.pt, do telefone 217784599

A “Associação dos Amigos da Fundação das Casas de Fronteira e Alorna” patrocinou a reedição da obra de José Cassiano Neves, Jardins e Palácio dos Marqueses de Fronteira. A edição inclui o texto de José Cassiano Neves, fixado criticamente a partir da última  edição revista pelo autor, notas e um apêndice com actualizações da responsabilidade de Dom Fernando Mascarenhas, mais de 160 fotografias totalmente novas do palácio, jardins e mata, da autoria de Margarida Dias, bem como um testemunho pessoal do próprio Dom Fernando Mascarenhas, relativo à experiência de viver num espaço museológico classificado como monumento nacional.

Tertúlia-Convívio Digital

22 de Outubro de 2015
19h

A Tertúlia-Convívio Digital incluirá a apresentação pública das novas ferramentas de acesso e comunicação disponíveis na Internet. Pretende-se que esta sessão seja atraente para todos os frequentadores e interessados nas actividades do Palácio Fronteira.

Para alimentar o clima de boa disposição e de convívio, contribuirá certamente o jantar temático "sabores de tertúlia", uma novidade a degustar entre Amigos.

Serão servidos aperitivos a partir das 19:00h. A tertúlia terá início às 19:30h e o jantar às 20h30.

Marcações e informações através do telefone 21 778 45 99, todos os dias entre às 10:00 e às 17:00h, ou através de correio electrónico para fcfa-cultura@netcabo.pt.

Recital de Música e Poesia

No dia 6 de Outubro às 19h

Música barocca de Nicolai, Kuehne, Schenk e Teleman e poemas da 4ª Marquesa de Alorna. Birgund Meyer-Öhme, Cândida Matos e Duncan Fox (cordas, viola da gamba, cravo) António Brandão, José Diogo, Maria Adelaide Hidalgo e Vanda Anastácio (leitura).
Apoio: Antena 2
Marcações e informações através do telefone 21 778 45 99, todos os dias entre às 10:00 e às 17:00h, ou através de correio electrónico para fcfa-cultura@netcabo.pt.

O REI LEAR em Fronteira!

Nos dias 10 e 24 de Outubro e 7 de Novembro às 17h17 a Companhia de Teatro Fatias de Cá apresentará no Palácio Fronteira uma adaptação da peça O Rei Lear. O espectáculo, inspirado em Shakespeare e em Kurosawa tem início às 17h17m e inclui uma refeição. Acesso: 44,44 € (refeição incluída) As reservas podem ser feitas através dos contactos: 960 303 991 / reservas@fatiasdeca.net

Grupo de Leitura "CYRANO DE BERGERAC" de Edmond Rostand

Nos dias 13 e 20 de Outubro ás 19h

Informações e Inscrições gratuitas – fcfa-cultura@netcabo.pt / 217784599

A peça Cyrano de Bergerac tem interpelado os leitores desde a sua criação por Edmond de Rostand em 1897. Em vida do autor foi representada mais de 400 vezes e conhecem-se, até ao presente, mais de duas dezenas de adaptações ao cinema, em várias línguas.
Podemos perguntar-nos acerca das razões desta longa preferência do público por este texto. O que tem, a peça, de tão especial?
Um dos seus encantos é, certamente, o facto de encenar algumas das inquietações humanas mais profundas: pode um de um corpo desajeitado albergar uma alma bela? Pode o amor generoso e total passar despercebido ao ser amado?
A estas inquietações junta-se, nesta peça, uma outra reflexão, cara a quem escreve, perturbante para quem lê: a afirmação do poder encantatório da escrita e a ideia de que é possível, através da palavra, não só convencer, mas seduzir.

PROGRAMA / PROPOSTA DE LEITURAS
13.10.2015 – Grupo de Leitura sobre a obra “Cyrano de Bergerac” de Edmond Rostand, coordenado por Vanda Anastácio.
20.10.2015 – Visionamento  comentado  do  filme  “Cyrano  de  Bergerac”,  do  realizador Jean-Paul Rappeneau, com  Gérard  Depardieu, Anne  Brochet e  Vincent    Perez. Comentários  e discussão (a anunciar). (Haverá um curto intervalo de 20 minutos).
Apoio: Institut Français du Portugal.
www.facebook.com/fronteira.alorna

Para ver o CURRICULUM da Associação dos Amigos das Casas de Fronteira e Alorna com todas as actividades desde o início em 1993 clique aqui.